Degeneração e eugenia nos discursos do I Congresso Médico de Pernambuco (1909)

Autores

  • Beatriz Chianca Macario Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)
  • Vicentina Maria Ramires Borba Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

DOI:

https://doi.org/10.25247/hu.2021.v8n16.p271-280

Palavras-chave:

Discurso, Degeneração, Eugenia

Resumo

Este artigo apresenta parte do resultado de uma pesquisa de mestrado, que visou analisar os discursos do I Congresso Médico de Pernambuco, realizado entre os dias 25 de abril e 02 de maio de 1909, na cidade do Recife. Os discursos refletem ideias e teorias abordadas no início do século XX, e alguns deles demonstram um viés voltado para os estudos da degeneração e eugenia, tema proposto para este artigo. Utilizamos para análise alguns conceitos de Michel Foucault e de John Thompson, para explorarmos melhor os meandros do discurso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Chianca Macario, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Mestre em História Social da Cultura Regional pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Vicentina Maria Ramires Borba, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Professora Titular do Departamento de Letras da UFRPE. Professora nos cursos de Graduação da UFRPE e no Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem (PROGEL) da UFRPE. Desenvolve estudos relacionados a gêneros textuais, Análise do Discurso Francesa, Análise Crítica de Discursos, identidade de gêneros e prática pedagógica. Tem desenvolvido também pesquisas relacionadas à produção de discursos no meio urbano e rural, especialmente no contexto do trabalho feminino.

Referências

BRITTO, Durval de. As Incapacidades Genitaes no Direito Civil. Anais do I Congresso Médico de Pernambuco. Recife: Off Typ do Diario de Pernambuco, 1909.

BORGES, Dain. Inchado, feio, preguiçoso e inerte. A Degeneração no Pensamento Social Brasileiro, 1880-1940. Trad. Richard Miskolci. Teoria & Pesquisa, São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, p. 43-70, 2005.

CANGUILHEM Georges. O Normal e o Patológico. 7 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2018.

CAPONI, Sandra. Loucos e Degenerados. Uma genealogia da psiquiatria ampliada. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2012.

CARRARA, Sérgio. Crime e Loucura: o aparecimento do manicômio judiciário na passagem do século. Rio de Janeiro: EdUERJ; São Paulo: EdUSP, 1998.

COSTA, Jurandir Freire. História da Psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Documentário, 1976.

COUTINHO, Oscar. Tem a Sociedade o Direito de Opor-Se ao Casamento de um Indivíduo, Portador de Moléstia Transmissível á Esposa e á Prole?. Anais do I Congresso Médico de Pernambuco. Recife: Off Typ do Diario de Pernambuco, 1909.

DANTAS, Laércio Albuquerque. A Escola Do Recife e os Discursos Sobre a Criminalidade: teorias científicas e projetos de sociedade no Recife das décadas de 1880-1890. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Pernambuco. CFCH. Pós-Graduação em História, 2013.

DIWAN, Pietra. Raça Pura. Uma história da eugenia no Brasil e no mundo. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2015.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 24 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014b.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. 5 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

MAIA, Kenia Soares; ZAMORA, Maria Helena Navas. O Brasil e a Lógica Racial. Do branqueamento à produção de subjetividade do racismo. Psic. Clin., Rio de Janeiro, vol. 30, n.2, p. 265-286, 2018.

MIRANDA, Carlos Alberto Cunha. A fatalidade biológica: a medição dos corpos, de lombroso aos biotipologistas. In: MAIA, Clarissa Nunes (org.). História das prisões no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco digital, vol. 2, 2009.

MIRANDA, Carlos Alberto Cunha. Quando a razão começa a julgar a loucura. A institucionalização do sistema manicomial em Pernambuco. Cadernos de História UFPE, ano VII, n. 7, p.37-84, 2010.

MOREL, Benedict Augustin. Tratado das degenerescências na espécie humana. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, v. 11, n. 3, p. 497-501, set. 2008.

ORLANDO, Arthur. Eros Sob o Ponto de Vista do Direito Sanitário ou da Hygiene Juridica. Anais do I Congresso Médico de Pernambuco. Recife: Off Typ do Diario de Pernambuco, 1909.

PEREIRA, Mário Eduardo da Costa. Morel e a questão da degenerescência. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, v. 11, n. 3, p. 490-496, set. 2008.

SERPA JR., Octavio Domont de. O degenerado. História, Ciências, Saúde –Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 17, supl. 2, p.447-73, dez. 2010.

STEPAN, Nancy. A Hora da Eugenia. Raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2005.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

Macario, B. C. ., & Borba, V. M. R. . (2021). Degeneração e eugenia nos discursos do I Congresso Médico de Pernambuco (1909). HISTÓRIA UNICAP, 8(16), 271–280. https://doi.org/10.25247/hu.2021.v8n16.p271-280